domingo, 16 de julho de 2017

«La chasse spirituelle» - Tolentino Mendonça

La chasse spirituelle

O corpo não se furta, não se esconde
sobe e desce igual à chama
torce-se, dobra-se, vira-se sobre si
no único modo que tem
de dar-se a ver sob as escamas

o corpo é o acesso a um reino
a cidades cheias de sangue e vapor
feitas para abrigar
ringues, pistas, arenas
e palavras que nos vencem

o corpo serve-nos para filmar o escuro
uns quantos passos cambaleantes
até à inevitável rendição
como se fôssemos apenas 
a presa de um século de vento


José Tolentino Mendonça, Teoria da fronteira, Assírio, 2017, p. 51 (3.º poema, de 8, da 2.ª «secção», «Sans-papiers»)